Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma vida igual a outras

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Uma vida igual a outras

12
Jul08

Como registar um recem nascido?

Cris
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5222124784696516322" />

O registo de um recém-nascido tem de ocorrer num prazo máximo de vinte dias após o nascimento, podendo fazer-se numa qualquer Conservatória do Registo Civil, embora normalmente se opte pela conservatória do local onde ocorreu o nascimento ou pela conservatória do local de residência da mãe. A regra aplica-se tanto a cidadãos de nacionalidade portuguesa como a estrangeiros.



Para registar um recém-nascido, os pais devem fazer-se acompanhar dos seus documentos de identificação – Bilhete de Identidade, Cartão de Cidadão ou Passaporte e autorização de residência se forem estrangeiros – e do documento passado pela maternidade ou pelo hospital que informa sobre o nascimento.



Se a criança é filha de pais casados entre si, qualquer um deles, ou os dois em conjunto, pode declarar o nascimento. Se os pais não são casados entre si devem ir os dois à conservatória para que o pai possa perfilhar (se for maior de 16 anos) e para que possam, de comum acordo, escolher o nome e a naturalidade da criança.



Pode ainda acontecer que a criança seja filho de mulher casada, mas cujo marido não é o pai da criança. Neste caso, apenas a mãe deve declarar o nascimento com a indicação prestada perante o funcionário do Registo Civil de que o seu marido não é pai do seu filho. O registo será lavrado sem a menção da paternidade presumida, podendo desde logo ser aceite o reconhecimento voluntário da paternidade. O conteúdo do assento e declaração prestada pela mãe são notificados ao marido.



No caso de mãe não casada cujo pai não queira ou não possa vir declarar o nascimento, este será declarado pela mãe, ficando a constar do assento os elementos referentes à mãe e aos avós maternos e o nome sem apelidos do pai, podendo ser posteriormente perfilhado pelo pai biológico.



Se a mãe à data do nascimento é divorciada ou viúva, mas ainda não passaram 300 dias da data da sentença que decretou o divórcio ou da data do falecimento do anterior marido e a criança não é filha do ex-cônjuge, a mãe deve declarar perante o funcionário do registo civil que a ouvirá em auto que o seu ex-marido não é o pai, podendo desde logo o pai biológico perfilhar, sendo o conteúdo do assento e do auto notificado ao seu ex-marido ou seus herdeiros no caso de já ser falecido.



As versões originais do registo de nascimento e do boletim de nascimento são gratuitas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D