Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Uma vida igual a outras

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Uma vida igual a outras

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

solidão... dor da transição...

Por vezes estamos numa sala cheia de pessoas e apenas sentimos um mar de gente que nos inunda de solidão. Podemos até estar a dormir ao lado do nosso companheiro(a) e sentirmos uma lágrima de solidão a deslizar pelo nosso rosto. Este sentimento de solidão pode ter várias origens… rejeição, sentimentos de abandono, insegurança… mas a verdadeira solidão advém de nos abandonarmos a nós mesmos. Neste caso voltamo-nos tendencialmente para o exterior, para outras pessoas, para preenchermos parte deste vazio. Mas quando não preenchemos a base connosco, com aquilo que somos, será difícil que outros o possam fazer… Aparentemente, quando estamos com outras pessoas podemos ter a ilusão de que a solidão se dissolve… mas será que se dissolve ou apenas ficou mascarada? Disfarçada à espera que as circunstâncias se alterem para voltar a revelar-se? É normal e natural que a vida flua… que as pessoas que amamos entrem e saiam das nossas vidas. Que as circunstâncias se alterem e que possam provocar as chamadas “dores de transição”. Quando nos conhecemos, quando nos aceitamos e nos permitimos Ser (quem somos) estaremos mais preparados para as “dores de transição” e dificilmente sentiremos solidão. Poderemos estar “sós”, mas estaremos em Paz. Poderemos atravessar um deserto mas estaremos acompanhados, não sentiremos solidão, pois estaremos lá... a disfrutar a nossa própria companhia… A partir desse momento viveremos mais livres, seremos menos reféns de relações (e relacionamentos) nos quais poderemos (ou poderíamos) estar apenas por medo da “solidão” ou das dores de transição. Estaremos mais preparados para viver de forma mais real, feliz e plena as nossas vidas… e os nossos relacionamentos… com menos medo e… com mais Amor… Pedro Sciaccaluga Fernandes

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D