Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma vida igual a outras

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Uma vida igual a outras

12
Mar15

Eu

Cris

 

 

1224760211875_f.jpg

 

 

 

Já disse que amava, e logo a seguir senti o gosto amargo de ser rejeitada...

Já escondi um amor com medo de perde-lo, já perdi um amor por esconde-lo.

Já deixei de sentir as minhas mãos de tanto medo, já segurei as mãos de alguém para a proteger do medo....

Já expulsei pessoas que amava de minha vida, para deixar de me amarem, por saber que ambos nos fazia-mos mal....

Já adormeci do cansaço de tanto chorar, como já chorei de tanto rir...

Já acreditei em amores perfeitos, em príncipes encantados e no viveram felizes para sempre.

Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.

Já menti e me arrependi , já falei a verdade e também me arrependi....

Já fingi não dar importância às pessoas, e na verdade essas pessoas continuavam a ter muita importância....

Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, e já deixei de acreditar nas que realmente valiam.

Já tive crises de riso quando não podia.

Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.

Já falei coisas que não devia quando devia estar calada, e já fiquei calada quando devia falar....

Já magoei por falar de mais, e já fui magoada por ouvir verdades.

Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.

Já mostrei estar feliz quando não o estava, só para fazer alguém feliz.

Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.

Já sonhei tão alto, ao ponto de confundir com a realidade...

Já descobri que é possível morrer e reviver várias vezes numa só vida.

Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.

Já disse não quando queria dizer sim, e já disse muitas vezes sim quando queria era dizer não.

Já caí, já me levantei e segui em frente.

Já aprendi, já esqueci, já vivi e já morri, mas o melhor disto tudo, é que Sempre sobrevivi!!!!!

 

E tu? o que já fixes-te?

 

11
Mar15

TAG 7 Coisas

Cris

 

18113346_PYelp.jpg

 

A Magda Pais nomeou-me e eu aqui estou a responder à tag 7 Coisas sobre mim

Obrigada Magda pelo miminho, ao qual aceito com muito carinho!!!!

 

Bora lá então :

 

7 Coisas a Fazer Antes de Morrer

Ter mais um dou dois filhos;

Ir as Maldivas

Criar, educar e orientar os meus filhos

Fazer 99 anos (LOL)

Ir ao Estádio da Luz

Subir ao Ultimo andar da Torre Eiffel

Ser Madrinha

 

7 Coisas Que Mais Digo

Amo-te ( aos meus pais, a minha filha)

Olha lá....

 

Tenho dito

Como?

Tas todo(a) Fodi** das ideias

Não é defeito é feitio

"Óstia" expressão tipica melgacense que significa : Pancada/ algo forte

 

 

7 Coisas Que Faço Bem

Dormir

Cozinhar

Organizar ( festas, trabalho etc)

Sonhar

Mandar ( uiuiuiui mais me deixassem)

Resmungar

Guardar Segredos

 

7 Coisas Que Não Faço Bem

Seguir instruções

Ouvir e ficar calada

Cantar

Organização ( sou muito desarrumada)

Fazer as coisas devagar

Trabalhos monótonos

Cumprir Horários

 

 

 

7 Coisas Que Me Encantam

Filmes

Viajar

Namorar

Os "tiques" da minha filha ( o beicinho, o biquinho, o olho levantado )

livros

Sueca ( adorooooo jogar a sueca)

O meu carro

 

7 Coisas Que Eu Amo

A minha Filha

Os meus sobrinhos

Os meus Pais

Os meus irmãos

Eu mesma

Os meus trabalhos

Animais

 

 

7 Coisas Que Eu Não Gosto

Hipocrisia

Cinismo

A Mentira

A falta de respeito pelo trabalho e esforço dos outros

A violência seja física ou psicológica

O Maltrato dos animais

Do gelo e da chuva

 

 

7 Blogs Que Eu Indico

 

Cris

o Informador

Maria Inês

Vera Pinto

Um quarto para as Duas

A mãe da Princesa

Ana Cristina Gomes

 

 

 

11
Mar15

Um pouco de Psicologia

Cris

Uma pessoa que desenvolve ciúmes exagerados e uma relação amorosa conflitante, com paranóias e desconfianças do outro, praticamente não vive sossegado, pois os seus pensamentos e sentimentos estão dominados por essas ideias e não consegue se desencilhar.

Como consequência, a relação se deteriora, o clima fica insuportável para ambos envolvidos, comprometendo mais ainda a relação e provocando maior insegurança, desconfiança, brigas e desentendimentos, ou seja, provocando um círculo vicioso sem fim, ou com fim trágico ou ainda uma relação perdida.

Os sintomas da neurose obsessivo-compulsiva podem ser divididos em dois grupos: as ideias obsessivas e os actos compulsivos.

Os pensamentos e ideias que envolvem o ciúmes  tornam-se obsessivos provocando um desgaste e uma concentração de energia nestes pensamentos levando o indivíduo a deixar de fazer outras actividades ou comprometer grande parte de sua vida com esses pensamentos que não lhe saem da cabeça.

Ideias obsessivas são pensamentos ou imagens impostas à consciência contra a sua vontade, pois ele tenta se livrar destes pensamentos e não consegue, e fica preso elevando sua ansiedade.

Uma forma de ideia obsessiva pertencente a uma relação onde alguém está com esse transtorno pode estar baseada em pensamentos que envolvem dúvidas obsessivas.

Exemplo:

Dúvidas obsessivas: São oscilações persistentes e angustiantes entre uma série de prós e uma série de contras, a respeito de algo ou alguém, sem que se chegue a nenhuma decisão. Neste caso, a pessoa desconfia do outro, mas ao mesmo tempo acha que essa confiança não tem fundamento, porém permanece a dúvida incessante. O indivíduo não confia nem na sua percepção e nem na sua memória.

Outro tipo frequente de ideias obsessivas são as repetições obsessivas, na qual o pensamento do indivíduo é invadido pela repetição de ideias, frases, sons, etc. que representam suas desconfianças, seus temores e sua insegurança nessa relação, dessa forma, fica constantemente reavaliando comportamentos seus e do outro justificando esses pensamentos e encontrando certa “lógica” em seus pensamentos, o que reforça sua desconfiança, seu ciúmes e seus conflitos.

 

 

Ciúme Patológico : Paranóia

Trata-se de um distúrbio no qual o principal sintoma é o delírio de ciúmes constante e se estrutura em torno da figura do parceiro.

A pessoa acometida pela paranóia e pelo ciúme patológico tem uma tendência à sistematização e a actuação é geralmente intensa.

No ciúmes patológico a pessoa passa a vigiar o parceiro, a observar todos os seus comportamentos e movimentos, interpreta qualquer atitude como indícios de traição e de infidelidade.

Em casos graves pode acontecer deterioração mental e uma vez que o quadro é insidioso elabora-se um sistema delirante de difícil redutibilidade.

 

 

Pessoa Paranóica

 

O transtorno de personalidade paranóico caracteriza-se pela hipersensibilidade nas relações pessoais.

As pessoas com esse transtorno são extremamente desconfiadas, defensivas e na maioria das vezes, muito agressivas.

Possui uma estrutura de personalidade rígida com isolamento e distanciadamente das outras pessoas. vive de forma tensa, possui boa capacidade intelectual e memória, porém usa preferencialmente para uma interpretação negativa do mundo que o cerca.

Tem uma tendência a alimentar ideias de auto referencia, projecta suas críticas nas outras pessoas e frequentemente se queixa de que os outros de o acusam de deficiente ou incapaz. Na maioria das vezes, esses “acusadores” são aqueles indivíduos com quem ele se acha envolvido emocionalmente.

Os estímulos externos (conversa dos outros, apontamentos, gestos, sinais, etc.) são sentidos como direccionados contra sua pessoa distorcendo muitas vezes a realidade com interpretações distorcidas.

É muito ciumento, tem pouco senso de humor, é superficial em seus contactos afectivos, porém costuma ser dedicado ao trabalho, mas ainda assim, acaba levantando fantasias persecutórias, achando que estão conspirando contra ele.

Acha-se sempre incompreendido pelos outros e que as pessoas não lhe dedicam melhor atenção o que reforça seus sentimentos negativos e de inferioridade.

 

Ciúmes 

 

A infidelidade sexual e a infidelidade emocional como causa do ciúmes e dos conflitos na relação amorosa:

A Infidelidade sexual traz a mesma reacção de ciúmes tanto em homens quanto nas mulheres, ou seja, não é verdade que as diferenças de ciúmes esteja relacionada ao género.

Em um relacionamento o ciúme funciona num estado de alerta para os indivíduos sobre como se sente em relação à segurança com o companheiro.

Os ciúmes acabam sendo o meio pelo qual o casal pretende manter não só o relacionamento, mas também os benefícios da relação.

O género masculino ou feminino reage praticamente da mesma forma quando se percebe em perigo na relação. Este perigo pode ser real ou imaginário.

Os Homens presumivelmente reagem mais a infidelidade e as mulheres reagem mais a uma relação emocional de segurança.

Em muitas mulheres o abalo na relação representa uma ameaça dos recursos para si e para seus filhos.

Os homens ficam mais angustiados pela possibilidade em enfrentar a infidelidade que as mulheres, para eles a traição é muito ameaçadora pois abala a sua masculinidade.

Quando se compra a infidelidade sexual e a infidelidade emocional, homens e mulheres são igualmente afectados e reagem da mesma maneira.

O desenvolvimento de uma relação possessiva acaba sendo uma estratégia que homens ou mulheres usam para tentar, por meio do controle, ganhar a certeza e a segurança que acha necessária para garantir a relação

Esta estratégia consome a relação e provoca um desgaste que rompe os direitos individuais. Além de não assegurar o controle, desencadeia uma doença obsessiva e doentia que afecta todos os estágios da vida de ambos envolvidos resultando numa finalização dolorosa e muitas vezes trágica.

 

 

Frustração amorosa. A Perda do controle sobre o amor doentio e dos ciúmes

 

O ciúme é uma emoção complexa, que tem dominado a preocupação da humanidade há muitas gerações

De tempos em tempos, o ciúme doentio, foi examinado a partir de psicoterapia, de aspectos cognitivos e fenomenológicos, em paralelo com a evolução da psiquiatria.

A partir do ponto de vista fenomenológico, a maior parte dos pesquisadores mostra que a atenção esteve centrada no delírio do ciúmes.

O fato de medicina psiquiátrica ter tendência a concentrar-se em ciúme doentio como um sintoma das psicoses reflecte-se no tratamento e nas abordagens.

Existe menos informação no que diz respeito ao ciúme obsessivo, onde o pensamento obsessivo tem a qualidade de ideação.

Como encontramos vários casos de ciúme obsessivo relacionado a desfechos violentos e criminosos, vale a pena estudar essa relação.

É necessário fazer uma associação entre o ciúme obsessivo e o sintoma obsessivo compulsivo (TOC). Esta é a primeira grande característica sobre ciúme obsessivo.

A apresentação do ciúme obsessivo tem a forma de uma excessiva possessividade que aparece numa pessoa que não necessariamente tem um outro distúrbio de personalidade, porém apresenta um ciúme exagerado.

Num extremo está o ciúme delirante que pode complicar comportamentos de uma pessoa esquizofrénica, com transtorno afectivo ou relativos a uma psicose orgânica.

Uma outra forma, pode ser descrita por ciúmes de monogamia tendo sido constatado e caracterizado por pensamentos intensos de infidelidade, levando a uma preocupante e contínua acusação de um companheiro pelo outro, com interrogatórios, testes e exigências sexuais excessivas numa tentativa de controle sobre o cônjuge.

Esta forma de ciúme patológico foi reconhecida como uma manifestação do transtorno obsessivo-compulsivo

05
Mar15

Quando se cospe para o ar....

Cris

Há uns anos atrás uma colega cá do trabalho despediu-se, ate aqui nada de anormal, o mal  foi que quando o fez, assumiu que não precisava disto para nada, pois o que o marido ganhava dava para tudo e mais alguma coisa, que não era um salário medíocre e uma posição fútil que a iam manter,  que ia se dedicar a boa vida....

 

O problema é que o marido mandou-a pastar, e obviamente que a boa vida acabou também... os luxos a que os manter e para isso é preciso um salário medíocre e uma profissão fútil para poder ao menos sobreviver....

 

E lá esta, apareceu novamente a entrevista e ainda presenteou os entrevistadores com uma caixinha de bolos....

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub