Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma vida igual a outras

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

Uma vida igual a outras

17
Jul08

O que tive e Não Tive nas 40 semanas que se passaram!

Cris
- Náuseas e vômitos: Tive logo que descobri que estava grávida, mais ou menos a partir das 6 semanas e durou ate aos 4 meses mais ou menos.
- Seios inchados e doridos: Foi o meu primeiro sintoma, mesmo antes de notar o atraso do periodo, deixei de poder dormir de barriga para baixo pois os peitos doiam me muito, foi este o principal factor que me levou a fazer um teste de gravidez.
- Cansaço e sonolência : MUuuuuuita sonolência, podia tocar o despertador o dia todo que eu continuava a dormir como um anjinho;
- Dor nas Costas: Principalmente agora no fim.
- dores de cabeça: acho que nenhuma;
- desejo por certos alimentos: nepia!
- vontade frequente de urinar: muita desde sempre;
- Gengivite/Sangramento das gengivas: Sim, também tive e foi piorando com o desenrolar da gravidez;
- Variações de Humor: Todos os dias :)
- Pirose ("Asia"): Foi a minha maior assombração desde sempre, a cura? um copo de leite simples frio, comigo funcionou lindamente, sempre que tinha esse ardor com um copo gelado de leite passava logo.
- Falta de ar: Como a minha bebe se virou logo desde muito pequenina de cabecita para baixo não tive a pressão sobre o diafragma, sinto mais dificuldade em respirar mas falta de ar não.
- ObstipaçãoMuuuuuuiiiita, as x passo mais de uma semana sem ir a casa de banho e quando vou é um sofrimento! Agora estou na fase de ir de 30 em 30minutos :)
- Caimbras: Bastantes principalmente entre o 5º e o 7º mês em que eram mais diárias (nocturnas), agora tenho de x em quando nas verilhas.
- Insónias: Estou na fase delas já a alguns meses!
- Dormencia e formigueiro: acho que só senti uma ou duas x ao meio da noite no braço e na perna direita;
- Edemas (inchaço): ate o dia de hoje, nem sinal deles;
- Varizes: Já tinha algumas antes de engravidar, mas acho que não me apareceram mais;
- Estrias: SOCORRO, muuuuuuuuuuiiiiitas:(
17
Jul08

E assim chegamos.... As 40 Semanas

Cris
E assim chega-mos as 40 semanas de gravidez, e nem com mudança da Lua a garota quiz vir cá para fora :)
Agora é continuar a espera e torçam por mim para ter uma hora muito pequenina :)


o Bebé

Peso: 3340g
Comprimento: 49.5cm
Frequência cardiaca: 130 bpm

Os movimentos do bebé são poucos à vários dias. O seu espaço é igual a quase nada.

O seu corpo está coberto por uma substância esbranquiçada a que damos o nome de vernix.

Ele continua a consumir os nutrientes maternos até à hora do parto.

a Mamã

Falta menos de uma semana!
Lembre-se apenas que a data prevista para o nascimento do seu bebé não passa de uma estimativa. Apenas 4% das mamãs têm o seu bebé na data prevista.

Se no final da semana não tiver o seu bebé o seu médico poderá induzir o parto artificialmente e rebentar as águas ou actuar com outro tipo de processos
17
Jul08

O papel do Pai na Amamentação

Cris
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5223917836862262274" />


Actualmente falamos muito em Aleitamento Materno mas sempre na perspectiva da Mãe. No entanto, penso que é importantíssimo incluír o pai neste processo.
Em Portugal sabemos que apenas 40% das mães atinge 6 meses de aleitamento materno (ainda que cada vez mais as recomendações da Organização Mundial de Saúde sejam divulgadas: 6 meses de amamentação em exclusivo e complementar até aos 2 anos ou mais) .

As causas que levam a esmagadora maioria das mães a desistir da amamentação prendem-se com a insegurança, a falta de informação e a crença de que o seu leite não é suficiente em quantidade ou qualidade para alimentar o bebé.

Posto isto, o pai desempenha aqui um papel fundamental na transmissão de segurança à sua companheira. Se o próprio pai do bebé não for o primeiro a incentivar a amamentação e a conhecer os seus benefícios, a mãe sentir-se-à muito menos confiante.

Deixo-vos, então, um belíssimo texto do pediatra Marcus Renato[1] sobre a participação do pai neste período tão importante na vida do bebé e da sua mãe:


Dez Passos para a participação efectiva e afectiva do PAI no apoio ao Aleitamento Materno

1. Encoraje e incentive a sua mulher a amamentar: Por vezes ela pode estar insegura da sua capacidade de aleitar. O seu apoio será fundamental nessas alturas.

2. Divida e partilhe as mamas da sua mulher com o bebé: Mesmo que seja difícil aceitar, lembre-se que a amamentação é um período passageiro. Dê prioridade ao seu filho(a).

3. Sempre que possível, participe do momento da amamentação: A sua presença, carícia e toque durante o acto de amamentar são factores importantes para a manutenção do vínculo afectivo do trinómio mãe+filho(a)+pai.

4. Seja paciente e compreensivo: No período de amamentação é pouco provável que a sua mulher possa manter a casa, as refeições e o seu próprio aspecto de formas impecáveis. As necessidades do recém nascido são prioridades nesta fase.

5. Sinta-se útil durante o período de amamentação: Coopere nas tarefas do bebé na medida do possível: trocar fraldas, ajudar no banho, vestir, embalar, etc. Quando a mãe estiver a amamentar, ofereça-lhe um copo de sumo de frutas ou de água, ela vai adorar!

6. Mantenha-se sereno: Embora o aleitamento traga muitas alegrias, também traz muitas dificuldades e cansaço. Por vezes a sua mulher pode ficar impaciente. Mostre carinho e compreensão neste momento. Evite discussões desnecessárias para não prejudicar psicologicamente a descida do leite.

7. Procure ocupar-se mais dos outros filhos (se os tiverem): Para que não se sintam rejeitados com a chegada do nov(a)o irmã(o). Isto permitirá à sua mulher dedicar-se mais ao recém-nascido.

8. Mantenha o hábito de acariciar as mamas da sua mulher: Se costumava fazê-lo. Estudos demonstram que quanto mais uma mulher é sensível às carícias do companheiro, mais reagirá à estimulação rítmica de seu bebé.

9. Fique atento às variações do apetite sexual da sua mulher: Algumas mulheres reagem com um aumento da libido, outras com uma diminuição, são alterações normais. Esta é a ocasião para o casal vivências novas experiências e hábitos sexuais, adaptando-se ao momento.

10. Não traga para casa latas de leite, biberões ou chuchas: O sucesso deste período, em grande parte depende, da sua atitude. O Aleitamento Materno exclusivo até aos seis meses e o seu carinho são tudo o que o bebé necessita para crescer inteligente e saudável.

O Pai na Amamentação, por Dr. Marcus Renato
16
Jul08

.....Sem titulo....

Cris
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5223594536022160978" />
Olá amigas.
Amanhã faço 40 semanas de gravidez!
Não sei o que pensar, não sei o que fazer, só sei que sinto-me super estranha... Sinto que estamos mais perto do que nunca do fim de uma longa viagem que durou nove meses, nove fantásticos meses, em que vivi pela 1ª vez a fantática sensação de ter um bebe, um filho dentro de mim.

Hoje foi a minha ultima aula de pp, senti-me diferente, as outras mamas todas olhavam para mim com um ar diferente, quase todas rondam as 30 semanas, senti-me feliz por sentir que a viagem para mim estava a terminar, senti-me e sinto-me cada dia que passa mais feliz, hoje a uma semana já sou mãe já a minha filha têm 2 dias de vida, (ou mais).
Segunda será (???) o dia mais importante da minha vida, o dia em que te vou sentir, ouvir, ver e tocar pela 1ª x filha.

Quando olho para trás penso no dia em que o teste deu positivo, relembro todo o caminho vivido e penso como passou rápido o tempo!!!!!!!! Ainda parece que foi ontem que fiz a eco das 9 semanas e dois dias.

É um torbilhão de emoções, medo, com ansiedade com felicidade com receio, tudo numa mistura explosiva que será recordado para sempre como a fase mais feliz da minha vida :)

E são as hormonas que vos falam...

beijinhos
15
Jul08

Segunda Feira

Cris
Ontem tive de me deslocar a V. do castelo para me apresentar a uma junta médica por causa da baixa, saí de lá a deitar lume pois fazem-nos andar tantos km para chegr lá perguntarem-me o tempo e mandarem-me embora (acreditem que nem tive mais de 10 segundos dentro do consultório), e anda uma pessoa a fazer 200km para isso!
Paramos em vila praia de ancora para molhar os pezinhos na água gelada do mar e apanhar um pouquinho de sol, como estavam lá uns tios meus com o neto, o alex entreteu-se a brincar com o João (perdeu e ao fim teve de lhe pagar de beber hehe, o meu marido levou uma coça de um puto de 9 anos,:) acontece) enquanto eu e a minha mãe e os meus tios apreciava-mos o mar numa esplanada...
Soube tão bem!!!
A noite quando chegamos a casa o namorado da minha cunhada tlf para ir-mos ve-lo a jogar futebol no centro de estágios, pois começaram os torneios de futsal de verão, e lá fomos ver o espectaculo que acabou da pior maneira, com um dos arbitros a apanhar na cara de um jogador da equipa dele, fiquei chocada pois o arbitro era um rapaz novito devia ter os seus 18 anos no maximo, e também não sei pk chegou a beira do jogador da equipa do meu cunhado e mostrou-lhe o vermelho, ainda não tinha baixado o braço já tinha levado um murro na cara e umas valentes bofetadas, só que o jogador tinha idade para ser pai dele, o que é muito triste... A meio do jogo já o jogo tinha terminado e a equipa do Chico (meu cunhado) já desclassificada e impedida de jogar mais !
No primeiro dia de campeonato ja o caqmpeonato tinha acabado, por causa da violencia que as x as pessoas não tem noção.
O jogador foi um cabrão, mas eu também acho que quem organiza esses troneios não pode por putos a arbitrar jogos, nem a jogar contra equipas com jogadores muito mais velhos, porque depois estas coisas acontecem! Devia ser determinado um limite de idade na minha opinião, eu vim chocada, se fosse um filho meu a levar na cara como aquele rapaz levou (voces nem imaginam a velocidade e a força das bofetadas e do murro) eu matava o homem...
Bom amigas e hoje é mais um dia de consulta no CSaude (e a ultima de certezinha) onde vamos outra x fazer o CTG, pesar, tensão e combur, e claro desejar boas ferias ao meu medico e a minha enfermeira:)

BJNX
14
Jul08

Um bom domingo

Cris
Ontem eu e o Alex fartinhos de não fazer nada, e para não nos deitar-mos a dormir num domingo a tarde fomos caminhar até a praia... HUmmmm que maravilha, fomos até Baiona (espanha) a praia America, espectacular, a água estava optima o tempo não estava muito quente, soube tão bem percorrer a praia toda com os pés dentro de água!!!!
Tive de pensar 2 x se entrava para dentro de água com roupa ou não, a verdade é que vontade não me faltou mas a vergonha foi maior :)
Foi como se pode dizer: uma optima tarde de domingo!
14
Jul08

1 carneirinho, 2 carneirinhos 3 carneirinhos parte II

Cris
E cá continua-mos a ter pessimas noites de sono! Começo a ficar em stress, pois não tenho conseguido dormir mesmo mas mesmo nada, e hoje ainda para mais tenho de ir a V. Castelo apresentar-me junta médica por causa da baixa, a 3 dias de fazer as 40 semanas de gravidez é que se lembram de me por a fazer km...
Mas tem de ser tem de ser, la vamos nós mais uma x de viagem!
12
Jul08

De pai para filho

Cris
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5222126435015423586" />



Qual o pai que um dia não pensou desta maneira? "Ah! Seria tão bom se existisse um manual completo que ensinasse e orientasse como ser pai em todas as etapas de vida dos filhos!

Imaginemos, então, o título: "Manual de Instruções para ser Pai ".

Na capa, estaria escrito: "leia antes do nascimento do seu filho e consulte sempre que tiver dúvidas".

A seguir, viriam os itens ligados à descrição das características, funções básicas, como manejar e como lidar com possíveis problemas, suas causas prováveis e soluções. Enfim , um manual que desse cobertura a todas as dúvidas do pai.

Mas não é bem esta a realidade e, por mais que existam conselhos bem intencionados das pessoas próximas, livros, artigos e uma infinidade de recursos onde buscar ajuda, a grande verdade é que, na hora "H" de exercer a paternidade, muitos pais ficam paralisados e sem saber como agir. Nesta hora de fundamental importância, a posição de pai deixa um espaço vazio, no qual qualquer um pode entrar.

Todos sabem que cabe à paternidade uma parcela da responsabilidade em cuidar, educar, proteger e preparar seus filhos para o ingresso na sociedade. Quanto mais dedicação, maiores e melhores serão os resultados no que diz respeito às condições de bem estar físico, mental e social dos novos cidadãos que estão se formando. Não há outro jeito. Trata-se de um processo relacional de crescimento e amadurecimento ímpar na vida. O pai irá aprender a ser pai com seus filhos e os filhos irão aprender a ser filhos com seu pai. Uma relação de ida e volta, um e outros ensinando e aprendendo.

Na verdade, podemos dizer que todos os pais, com certeza, buscam inspiração na geração anterior mais próxima, que é a dos seus próprios pais. Este é o modelo que está mais à mão; afinal de contas, o novo pai já vivenciou como filho a experiência.

No entanto, aí se encontra um perigo: a experiência que ele viveu foi "como filho", perceberam? Ele não poderá esquecer-se de que passou uma geração, mudou o contexto, mudaram as pessoas e que a situação atual é novíssima e diferente. Se esquecer, poderá cair na tendência de repetir tudo igualzinho ao que seu pai fez, ou então, voltar-se para o outro extremo de maneira radical. O grande e difícil desafio é atualizar esse modelo para os dias atuais e incrementá-lo com uma boa dose de criatividade.

Encontramos um exemplo a esse respeito ao observarmos três gerações passadas nos últimos cinqüenta anos, considerando, é claro, as mudanças ocorridas na sociedade.

O pai dos anos 50 / 60 era quem provia o sustento da família, "dava as ordens" e era pouco afetivo (isto ficava para a mãe, que era a cuidadora da família). A geração que se formou nesse tempo, em função de sua experiências, criticou este modelo de pai. Sentiu-se reprimida.

O pai dos anos 70 / 80, com a melhor das intenções, educou seus filhos de maneira diferente, mas não deixou de estar no outro extremo: expressou afetividade pelos filhos, deu-lhes amor incondicional e liberdade total para exercitarem suas emoções, limites e potencialidades. A geração que se formou nesse tempo sentiu dificuldades para se adaptar às leis e normas da sociedade.

E agora, a geração de pais dos anos 90 / 2000 encontra-se diante de uma nova demanda, que é enfrentar o grande desafio de ser objetivo e claro, ao ditar regras e condutas e saber dar limites. E mais ainda: de aproveitar o que há de melhor nesses dois modelos das gerações passadas de seu pai e avô, entendendo que a frustração, a raiva, o ódio, a disputa e a privação fazem parte do aprendizado de uma criança, tanto quanto o amor, a proteção, o carinho, a confiança e o afeto que ele deve receber dos pais.

Se nos perguntarem qual o recurso mais precioso, no que diz respeito à paternidade, que um pai pode encontrar fora da experiência de relacionamento com seu filho, diremos que ele existe e está próximo e disponível para ser revelado. E que revelação!!! Não basta apenas buscar inspiração : é preciso ir mais longe e encontrar outras explicações.

Trata-se de um encontro de gerações de pais, desde o bisavô (nas famílias que têm esta felicidade), até (e por que não?) os filhos que ainda estão longe de serem pais, mas o são em potencial, para trocarem e revelarem experiências e sentimentos vividos na relação pai / filho. Meio parecido com uma reunião do "clube do bolinha", mas só de pais e filhos.

É o que recomendamos a todos vocês, pais e filhos. Experimentem! Promovam este encontro, nem que seja por alguns minutos, mas conversem sobre as mais variadas situações da paternidade, indaguem como foram vividas, quais as certezas e incertezas, as dificuldades, quem mais ajudou, quem mais atrapalhou, como fizeram, o que deixaram de fazer, o que teriam feito diferente, como buscaram ajuda e como resolveram. Chorem, riam, descubram a identificação que os une e deliciem-se em tornar este, um encontro mágico.

Ana Silvia Teixeira e Vera Risi
Terapeutas de Família
12
Jul08

Como registar um recem nascido?

Cris
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5222124784696516322" />

O registo de um recém-nascido tem de ocorrer num prazo máximo de vinte dias após o nascimento, podendo fazer-se numa qualquer Conservatória do Registo Civil, embora normalmente se opte pela conservatória do local onde ocorreu o nascimento ou pela conservatória do local de residência da mãe. A regra aplica-se tanto a cidadãos de nacionalidade portuguesa como a estrangeiros.



Para registar um recém-nascido, os pais devem fazer-se acompanhar dos seus documentos de identificação – Bilhete de Identidade, Cartão de Cidadão ou Passaporte e autorização de residência se forem estrangeiros – e do documento passado pela maternidade ou pelo hospital que informa sobre o nascimento.



Se a criança é filha de pais casados entre si, qualquer um deles, ou os dois em conjunto, pode declarar o nascimento. Se os pais não são casados entre si devem ir os dois à conservatória para que o pai possa perfilhar (se for maior de 16 anos) e para que possam, de comum acordo, escolher o nome e a naturalidade da criança.



Pode ainda acontecer que a criança seja filho de mulher casada, mas cujo marido não é o pai da criança. Neste caso, apenas a mãe deve declarar o nascimento com a indicação prestada perante o funcionário do Registo Civil de que o seu marido não é pai do seu filho. O registo será lavrado sem a menção da paternidade presumida, podendo desde logo ser aceite o reconhecimento voluntário da paternidade. O conteúdo do assento e declaração prestada pela mãe são notificados ao marido.



No caso de mãe não casada cujo pai não queira ou não possa vir declarar o nascimento, este será declarado pela mãe, ficando a constar do assento os elementos referentes à mãe e aos avós maternos e o nome sem apelidos do pai, podendo ser posteriormente perfilhado pelo pai biológico.



Se a mãe à data do nascimento é divorciada ou viúva, mas ainda não passaram 300 dias da data da sentença que decretou o divórcio ou da data do falecimento do anterior marido e a criança não é filha do ex-cônjuge, a mãe deve declarar perante o funcionário do registo civil que a ouvirá em auto que o seu ex-marido não é o pai, podendo desde logo o pai biológico perfilhar, sendo o conteúdo do assento e do auto notificado ao seu ex-marido ou seus herdeiros no caso de já ser falecido.



As versões originais do registo de nascimento e do boletim de nascimento são gratuitas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub