Aqui nada se escreve, tudo se transforma... Uma história de vida igual a outras...

12
Jul 08


O registo de um recém-nascido tem de ocorrer num prazo máximo de vinte dias após o nascimento, podendo fazer-se numa qualquer Conservatória do Registo Civil, embora normalmente se opte pela conservatória do local onde ocorreu o nascimento ou pela conservatória do local de residência da mãe. A regra aplica-se tanto a cidadãos de nacionalidade portuguesa como a estrangeiros.



Para registar um recém-nascido, os pais devem fazer-se acompanhar dos seus documentos de identificação – Bilhete de Identidade, Cartão de Cidadão ou Passaporte e autorização de residência se forem estrangeiros – e do documento passado pela maternidade ou pelo hospital que informa sobre o nascimento.



Se a criança é filha de pais casados entre si, qualquer um deles, ou os dois em conjunto, pode declarar o nascimento. Se os pais não são casados entre si devem ir os dois à conservatória para que o pai possa perfilhar (se for maior de 16 anos) e para que possam, de comum acordo, escolher o nome e a naturalidade da criança.



Pode ainda acontecer que a criança seja filho de mulher casada, mas cujo marido não é o pai da criança. Neste caso, apenas a mãe deve declarar o nascimento com a indicação prestada perante o funcionário do Registo Civil de que o seu marido não é pai do seu filho. O registo será lavrado sem a menção da paternidade presumida, podendo desde logo ser aceite o reconhecimento voluntário da paternidade. O conteúdo do assento e declaração prestada pela mãe são notificados ao marido.



No caso de mãe não casada cujo pai não queira ou não possa vir declarar o nascimento, este será declarado pela mãe, ficando a constar do assento os elementos referentes à mãe e aos avós maternos e o nome sem apelidos do pai, podendo ser posteriormente perfilhado pelo pai biológico.



Se a mãe à data do nascimento é divorciada ou viúva, mas ainda não passaram 300 dias da data da sentença que decretou o divórcio ou da data do falecimento do anterior marido e a criança não é filha do ex-cônjuge, a mãe deve declarar perante o funcionário do registo civil que a ouvirá em auto que o seu ex-marido não é o pai, podendo desde logo o pai biológico perfilhar, sendo o conteúdo do assento e do auto notificado ao seu ex-marido ou seus herdeiros no caso de já ser falecido.



As versões originais do registo de nascimento e do boletim de nascimento são gratuitas.
publicado por Cris às 14:50

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30


comentários recentes
Ahah pior, isso é notícia?
Ola francisco.Posso sim, manda-me um email para cr...
podes dar mais informações sobre hotel , rent-a-ca...
Ando perdida nos desafios... prometo que respondo ...
Cris! http://desafiosedesabafos.blogs.sapo.pt/lieb...
hahahahaha muita bom :)
estas noticias!!!!!!!!
ba da gla bu ma po?ou então lê versos de shakespea...
Isso acabou por acontecer na mesma noite que coloq...
Deve ser mais isso!!!!
Mensagens
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO